Robyn Brentano & Andrew Horn, Carlos Bunga, Spencer Finch, General Idea, Kapwani Kiwanga, Eric N. Mack, Joseph del Pesco e Johnny Pootoogook
18 Maio 2022

Robyn Brentano & Andrew Horn, Cloud Dance, 1980, Cortesia de Robyn Brentano & Andrew Horn

Robyn Brentano & Andrew Horn, Cloud Dance, 1980, Cortesia de Robyn Brentano & Andrew Horn

Kapwani Kiwanga, Flowers for Africa: Angola, 2020. © Aurélien Mole. Cortesia Galerie Poggi, Paris

Kapwani Kiwanga, Flowers for Africa: Angola, 2020. © Aurélien Mole. Cortesia Galerie Poggi, Paris

Carlos Bunga, Homeless #4, 2021, Acrílico sobre impressão cromogenica a cores, 30 x 40 cm © Cortesia do artista e da Galeria Vera Cortês, Lisboa

Carlos Bunga, Homeless #4, 2021, Acrílico sobre impressão cromogenica a cores, 30 x 40 cm © Cortesia do artista e da Galeria Vera Cortês, Lisboa

Joseph del Pesco, All for the Want of a Whisper, 2017, 7 Posters, Dimensões variáveis © Cortesia do artista

Joseph del Pesco, All for the Want of a Whisper, 2017, 7 Posters, Dimensões variáveis © Cortesia do artista

Curadoria de Rui Mateus Amaral

A 3+1 Arte Contemporânea tem o prazer de vos convidar para a inauguração de 18 Maio 2022, uma exposição de obras de Robyn Brentano & Andrew Horn, Carlos Bunga, Spencer Finch, General Idea, Kapwani Kiwanga, Eric N. Mack, Joseph del Pesco e Johnny Pootoogook, comissariada por Rui Mateus Amaral. Para muitos dos artistas, assim como para o curador, 18 Maio 2022 marca a primeira apresentação do seu trabalho em Portugal. A exposição inaugura também durante a semana da ARCOlisboa, a primeira edição presencial da feira de arte desde 2019.

A exposição pretende ser tão aberta como o céu, um espaço partilhado de beleza funesta e transcendente, em constante mudança, o que traz novas e variadas projeções no mundo terreno. De um modo semelhante, várias obras na exposição vão-se transformando lentamente diante do espectador, assim como através de interação direta. Outras obras estão a ser adaptadas localmente ou materializaram-se a partir de momentos de profundas viragens físicas, políticas, sociais e da história de arte.

Indo beber à iconografia da celebração—balões, flores, tendas, vestidos, música, dança e prendas—a exposição olha para o ritual de nos prepararmos para um evento e para a crescente euforia e antecipação desse processo, que quando os planos são alterados inevitavelmente se esgota fazendo o entusiasmo desaparecer e colocando-nos de volta a um estado de expectativa e desejo. Devido às condições flutuantes do nosso tempo, antes de ser dado o título 18 Maio 2022, a exposição chamou-se 7 Maio 2021, e antes disso, 12 Maio 2020. O espírito de nos movermos por terrenos imprevisíveis, de improvisação, não só guiou o processo de pensar esta exposição como também está incorporado nas próprias obras. Por agora, e para 18 de Maio de 2022, a previsão é de céu com boas abertas.

(Carlos Bunga, cortesia Galeria Vera Cortês, Lisboa; Spencer Finch, cortesia Lisson Gallery, Londres; Kapwani Kiwanga, cortesia Galerie Poggi, Paris; Eric N. Mack, cortesia Morán Morán, Los Angeles; Johnny Pootoogook, cortesia Daniel Faria Gallery, Toronto)

18.05.22 → 25.06.22

Inauguração 18.05.22, 18h → 21h

A