Teresa Braula Reis

Vista de exposição, "Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica", curadoria de Miguel Sousa Ribeiro, Centro de Arte de Sines, Sines, 2020. (foto: CAS)

Vista de exposição, "Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica", curadoria de Miguel Sousa Ribeiro, Centro de Arte de Sines, Sines, 2020. (foto: CAS)

Vista de instalação, 'Curved Wal', 2019, Instalação para Arte Mar 2019, "Fronteiras Líquidas", curadoria de Luísa Soares de Oliveira, Cascais.

Vista de instalação, 'Curved Wal', 2019, Instalação para Arte Mar 2019, "Fronteiras Líquidas", curadoria de Luísa Soares de Oliveira, Cascais.

Vista de Exposição, "Ficção e Fabricação: Fotografia de Arquitetura após a revolução digital", curadoria de Pedro Gadanho & Sérgio Fazenda Rodrigues, MAAT, Lisboa, 2019.

Vista de Exposição, "Ficção e Fabricação: Fotografia de Arquitetura após a revolução digital", curadoria de Pedro Gadanho & Sérgio Fazenda Rodrigues, MAAT, Lisboa, 2019.

Vista de exposição, "Síntese Ativa", curadoria de Guilherme Braga da Cruz & Duarte Sequeira, Forum Arte Braga, Braga, 2019. (foto: David Vidal)

Vista de exposição, "Síntese Ativa", curadoria de Guilherme Braga da Cruz & Duarte Sequeira, Forum Arte Braga, Braga, 2019. (foto: David Vidal)

Vista de exposição, "Out of office", curadoria de Alice Bonnot, PADA Studios, Barreiro, Lisboa 2019.

Vista de exposição, "Out of office", curadoria de Alice Bonnot, PADA Studios, Barreiro, Lisboa 2019.

Vista de exposição de "Variations Portugaises", Abbaye Saint André - CAC Centre d'art contemporain, Meymac, 2018. (foto: Aurelien Mole)

Vista de exposição de "Variations Portugaises", Abbaye Saint André - CAC Centre d'art contemporain, Meymac, 2018. (foto: Aurelien Mole)

Vista de instalação, 'House of Ferraria', Walk & Talk Azores, Ponta da Ferraria, Açores, 2017

Vista de instalação, 'House of Ferraria', Walk & Talk Azores, Ponta da Ferraria, Açores, 2017

Vista de instalação, 'House of Ferrari'a, Walk & Talk Azores, Ponta da Ferraria, Açores, 2017

Vista de instalação, 'House of Ferrari'a, Walk & Talk Azores, Ponta da Ferraria, Açores, 2017

Vista de exposição, "Prémios Novos Artistas", 4233kg, Fundação EDP, Lisboa, 2015. (foto: António Jorge Silva)

Vista de exposição, "Prémios Novos Artistas", 4233kg, Fundação EDP, Lisboa, 2015. (foto: António Jorge Silva)

Teresa Braula Reis (Lisboa, 1990) vive e trabalha em Lisboa. É licenciada em Pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa em 2012 e é Mestre em Fine Art pela Central Saint Martins College of Art and Design de Londres em 2014. Foi bolseira da University of the Arts London no âmbito do Mestrado. O trabalho da artista desenvolve-se sobre um olhar fragmentário do universo da construção, numa passagem do arquitetónico para o escultórico. A noção da temporalidade deste universo assume particular importância na sua prática que reflete sobre a ideia de ruína, memória e nostalgia. Em 2015 foi nomeada para o Prémio Novos Artistas da Fundação EDP. Exposições individuais recentes são The Pathos of Things, 3+1 Arte Contemporânea, Lisboa (2018) e White Helmet na Baert Gallery, Los Angeles (2017). Participou em diversas exposições coletivas, das quais se destacam: Síntese Ativa, Forum Arte Braga, Braga (2019); Fronteiras Líquidas, Arte Mar 2019, Cascais (2019); Out of Office, PADA Studios, Lisboa (2019);Variations Portugaises, Centre d’art de Meymac, França (2018) ; Escala 1:1, La Principal de Tabacalera, Madrid (2018); Walk & Talk, (escultura permanente) Açores (2017); Portugal Portugueses, Museu Afro Brasil, São Paulo (2016); Poetics of Space, 3+1 Arte Contemporânea, Lisboa (2016); Prémio Novos Artistas Fundação EDP ’15, Fundação EDP, Lisboa (2015); RESTATE by Art:i:curate, NEO Bankside, Londres (2014); Live In Your Dreams!, St Pancras Church Crypt Gallery, Londres (2014); e The Poetics of Space, Enclave project space, Londres (2013). Coleções incluem Fundación Otazu, Navarra; Coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes e Coleção de Arte Fundação EDP, Lisboa.

Modern Artifacts of Remembrance #3, 2015, Cimento branco, 14,5 x 22 x 31 cm

Modern Artifacts of Remembrance #3, 2015, Cimento branco, 14,5 x 22 x 31 cm

Folded Skin, 2018, chapa de aço, verniz, 200 x 50 x 50 cm

Folded Skin, 2018, chapa de aço, verniz, 200 x 50 x 50 cm

Little Souls #2, 2018, Aço inodxidável, entulho, 170 x 90 cm

Little Souls #2, 2018, Aço inodxidável, entulho, 170 x 90 cm

The Fleeting Hand part ½, 2018, tijolo, 30 x 154 x 154 cm

The Fleeting Hand part ½, 2018, tijolo, 30 x 154 x 154 cm

The Fleeting Hand part 2/2, 2018, pó de tijolo, 154 x 154 cm

The Fleeting Hand part 2/2, 2018, pó de tijolo, 154 x 154 cm

Outer Space, 2018, Impressão a jacto de tinta sobre acetato sobre papel (díptico), 72 x 52 cm (cada)

Outer Space, 2018, Impressão a jacto de tinta sobre acetato sobre papel (díptico), 72 x 52 cm (cada)

The Last Remnant, 2017, cimento, 40 x 29 x 4 cm

The Last Remnant, 2017, cimento, 40 x 29 x 4 cm

Lieux de mémoire #4, 2016, aço galvanizado, tinta de esmalte, entulho de demolição, 40 x 30 x 75 cm

Lieux de mémoire #4, 2016, aço galvanizado, tinta de esmalte, entulho de demolição, 40 x 30 x 75 cm

Broken Souvenir, 2016, DV PAL Video 4:3, colour, sound 01'40'' (video materials found on Web)

Broken Souvenir, 2016, DV PAL Video 4:3, colour, sound 01'40'' (video materials found on Web)

No heroes behind. Memorial to the impossibility of eternity, 2015, Aço, concreto, minerais expansivos naturais, (x2) 200 x 71 x 68 cm

No heroes behind. Memorial to the impossibility of eternity, 2015, Aço, concreto, minerais expansivos naturais, (x2) 200 x 71 x 68 cm

Modern artifacts of remembrance #2, 2015, betão branco e verniz latex, 45 x 30 cm

Modern artifacts of remembrance #2, 2015, betão branco e verniz latex, 45 x 30 cm

Exposições

A